Toda vez que surge um caso de violência nos estádios do Reino Unido, eles estão sempre relacionados…Conheça um pouco sobre esses torcedores.

Na Europa (mais precisamente na Inglaterra), o futebol é muito popular e já ocorreram e ainda ocorrem até hoje inúmeros casos de violência, na maioria das vezes, envolvendo os hooligans.

O ‘hooliganismo’ começou a chamar atenção de sociólogos na década de 60, época que a Copa do Mundo foi realizada na Inglaterra, pois os torcedores se organizavam ao redor dos estádios para somente causar o caos e brigarem, devido a isso ent]ao, muitos pesquisadores começaram a relacionar este comportamento com o contexto histórico (a crise vivida pelo capitalismo, à classe social dessas pessoas, juntamente com o fanatismo que elas possuíam por seus clubes).

Provalvelmente vocês já devem ouvido falar ou até mesmo visto um filme chamado Hooligans, né?

Vou dar uma palinha: depois de ser expulso injustamente da Universidade de Harvard, Matt Bruckner (Elijah Wood) decide ir para a casa de sua irmã em Londres. Lá ele faz amizade com seu cunhado, Peter Dunham (Charlie Hunnam), que o apresenta aos hooligans do futebol inglês. Não demora muito para o Matt aprender a marcar seu território acompanhado de seus colegas com comportamento violento.

E a gente achando que só o futebol brasileiro que é violento…

Então, o assunto de hoje é justamente esse. Os hooligans são grupos que usam da violência para legitimar sua identidade ao diferenciarem-se dos demais grupos rivais. 

Qual é a definição de hooligans no futebol?

Este é um termo que é usado para descrever fãs fanáticos do futebol que são conhecidos pelo seu comportamento violento. Os Hooligans de futebol são fãs apaixonados que são conhecidos por entrar em brigas e intimidar fisicamente os fãs da equipe adversária.

A origem da palavra é desconhecida, segundo o dicionário inglês Oxford, esse termo pode estar relacionado com o sobrenome (Hoolihan) de um personagem irlandês briguento que foi protagonista de uma série de tirinhas de um jornal britânico ou, então, com o sobrenome de Patrick Hoolihan, um famoso ladrão irlandês da época, entre várias possíveis origens.

Futebol e violência

Desde quando o futebol surgiu, ( se lembra quando ainda aldeões da era medieval se juntavam nas em épocas comemorativas para se divertirem chutando uma bola feita a partir de uma bexiga de porco inflada?), o futebol e as brigas generalizadas em torno desse esporte dividiam o mesmo contexto. A partir de 1890, esses comportamentos briguentos passaram a ser identificados como hooliganismo.

Surgido no século 13, na Inglaterra, o futebol era um evento que reunia diferentes famílias de terras vizinhas e comumente se tornava uma maneira quase oficial de resolver pendências que podiam estar relacionadas com disputas de terras ou agressões tribais.

Os eventos envolvendo o futebol no período medieval ocorriam quase sempre no período de datas comemorativas, e era comum abusar da bebida alcoólica, e quase sempre terminava, na maioria das vezes, com feridos ou até mesmo em fatalidade. A violência era tolerada, sendo vista como comportamento natural dos participantes do esporte.

No entanto, a partir do século 14 o futebol, que já havia crescido o números de praticantes, passou a sofrer tentativas de controle. O esporte violento (que agora tinha sido expandido e já estava presente em várias cidades) trazia confusão e terror a consumidores e comerciantes, o que não era nada positivo para os negócios.

Casos de saques e violência generalizada eram frequentes e, a partir disso, a violência passou a ser combatida, mas sem muito sucesso.

Foi só lá pelo século 17, depois uma forte campanha de educação voltada para crianças que também participavam das violentas partidas, passou a ser regido por regras e regulamentos pautados pelo “cavalheirismo” e pelo espírito esportivo. Mesmo assim, o ambiente do esporte ainda era recheado de violência.

O futebol virou febre na Europa inteira entre os séculos 18 e 19. Ele tinha se tornado uma paixão continental em que times rivais se enfrentavam diante de grandes plateias.  A rivalidade entre torcidas estava quase sempre associada às classes sociais. Nos países nórdicos, como a Suíça, embora o cavalheirismo (com base nos ideais britânicos) fosse o comportamento de costume, a separação das classes era bem visível e berrante em meio às torcidas. As autoridades começaram a ficar com medo que as partidas de futebol se tornassem o estopim de uma revolta das massas e o caos fosse instalado.

Torcidas Organizadas

As segregações sociais que ocorreram anteriormente nas torcidas se manifestaram de outra maneira a partir dos anos 60. Surgiu-se novamente o sentimento de patriotismo e também xenofobia que invadiu não só o futebol por si só, mas também os outros esportes e suas torcidas.

Os grupos de torcedores que se identificavam por sua origem ou ideologia viam no futebol e na torcida a oportunidade de poder confrontar diretamente seus rivais unidos debaixo de uma bandeira e um ideal comum, em busca de um sentimento de pertencimento, legitimidade ou simples dominância sobre os outros grupos. O termo “hooligans”, que havia sido cunhado em 1890, era agora atribuído a esses grupos que se digladiavam em torno da cultura do futebol europeu.

Foi ainda em 60, que as torcidas de futebol europeu começaram a demonstrar um nível de organização que antes era ausente. Brasões, bandeiras, slogans e hinos que exaltavam a torcida, e não propriamente o time, surgiram. As torcidasse consideravam tão diferentes que, mesmo as que torciam pelo mesmo time, se distinguiam brigavam entre si.

O holiganismo era visto por seus praticantes como um esporte em si. De acordo com o sucesso de cada grupo e suas empreitadas violentas, formavam-se grupos e torcidas. Tinha toda uma hierarquia e as torcidas eram formadas de acordo com o sucesso de cada grupo nessas empreitadas.

Hoje em dia os hooligans ainda persistem, mesmo com o governo se esforçando para tentar dar um basta e acabar com esses embates.

 

Fontes:

http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/hooligans.htm

https://guisambareando.jusbrasil.com.br/artigos/254233604/a-violencia-na-europa-e-o-surgimento-dos-hooligans