Será que é verdade que um jogo de futebol causou uma guerra? Chega mais pra saber!

Não é novidade pra ninguém que os esportes são uma parte mega importante da vida cotidiana na sociedade moderna. Ele é presente em diversas camadas da vida social. Dentro deste quadro de presença dos esportes na sociedade moderna, é sem dúvida que o futebol ocupa uma posição de destaque. Nenhuma outra prática da cultura popular envolve tanta gente e desperta tamanho interesse e paixão. Ele mobiliza milhares de pessoas por todo o mundo, seja praticando, assistindo, trabalhando, torcendo ou consumindo.

A força de identificação com o futebol é tão grande, que ele já foi até mesmo considerado o estopim de uma guerra entre El Salvador e Honduras.

Os amantes do esporte sempre dizem que futebol é uma guerra. Pois bem, em 1969, nas eliminatórias para a Copa de 1970, esses dois países da América Central, resolveram testar na prática as terríveis consequências desse bordão.

Antes do apito inicial, a batalha já tinha um potencial explosivo devido a tretas antigas políticas e sociais. A primeira treta ficou por conta da questão fundiária: El Salvador, apesar de ser cinco vezes menor, possuía uma população igual à de Honduras (cerca de 3,2 milhões de habitantes). Essa “diferença” estimulou a migração de quase 300 mil salvadorenhos para o país vizinho na década de 60. Foi uma disputa em relação à imigração de salvadorenhos para Honduras, a posição privilegiada de El Salvador no Mercado Comum Centro Americano (MCCA), por ser o país país mais rico e industrializado da região, e principalmente por uma reforma agrária hondurenha no início de 1969, que serviria de pretexto para a expulsão de salvadorenhos das terras do país e visava redistribuir suas terras a cidadãos hondurenhos.

Origem

A Guerra do Futebol ou a Guerra das 100 horas foi um conflito armado entre El Salvador e Honduras que durou quatro dias (de 14 a 18 de julho de 1969). Foi um conflito devido as disputas de terras e empregos entre os salvadorenhos e hondurenhos. Os imigrantes foram marginalizados pela ditadura local.

Conflito

Os dois países, que na época já demonstravam uma relação política instável, tiveram seus níveis de hostilidade aumentados em 1969. Em Junho, na mesma época em que o numero de salvadorenhos fugidos de Honduras aumentava, El Salvador e Honduras disputaram uma vaga nas eliminatórias para a Copa do mundo do México, em 1970. Na véspera de 8 de Junho, os donos da casa organizaram um apitaço que impediu os adversários de dormir, venceram por 1 a 0 e agrediram os salvadorenhos que foram ao estádio.

Os meios de comunicação de massa de cada país aumentavam ainda mais as tensões que já tinham, ou seja, o ódio era encorajado entre os cidadãos dos países vizinhos. Foi uma série de três partidas de futebol entre as seleções das duas nações.

O primeiro encontro entre hondurenhos e salvadorenhos aconteceu no dia 8 de Junho de 69, em Tegucigalpa, capital de Honduras. A atmosfera era de guerra. Os jogadores de El Salvador passaram uma noite turbulenta no hotel em que se hospedaram. Do lado de fora, torcedores rivais atiraram pedras nas janelas dos quartos, fizeram muito barulho batendo em tambores e tonéis vazios, além das tradicionais explosões de foguetes.

Durante as partidas (em especial a segunda, realizada em San Salvador), jogadores, torcedores e imigrantes nos dois países foram expulsos, perseguidos e assassinados, levando os dois países a romperem relações diplomáticas no fim do mesmo mês.

Com tanta tensão envolvendo o confronto de volta em San Salvador, no dia 15 de junho, o embate em campo se desdobrou para as ruas da capital. A torcida salvadorenha recebeu os rivais com ainda mais ódio do que sua equipe havia recebido em Honduras, tanto que os visitantes tiveram que se dirigir ao estádio em um veículo blindado. Que terror!!

Um pouquinho antes da partida começar, uma bandeira de Honduras foi queimada e seu hino desrespeitado. Após a vitória de 3 a 0 por El Salvador, a violência tomou conta das ruas. Dezenas de torcedores hondurenhos foram agredidos e até mesmo mortos. O placar de 3 a 0 para os anfitriões foi “comemorado” até pelos derrotados, que temeram por suas vidas em caso de resultado diferente.

Uma terceira partida teve de ser feita para desempatar o duelo. Foi escolhido um local neutro. No dia 27 de junho, com esquema reforçado de segurança, as equipes jogaram no México. El Salvador garantiu a vaga na final com uma vitória por 3 a 2 sobre Honduras.

As partidas foram:

PLACAR

DATA

LOCAL DA PARTIDA

El Salvador 1 – 0 Honduras

8 de Junho de 1969

Tegucigalpa

El Salvador 3 – 0 Honduras

15 de Junho de 1969

San Salvador

El Salvador 3 – 2 Honduras

27 de Junho de 1969

Cidade do México

Cessão da guerra

No dia 14 de julho, forças armadas de El Salvador invadiram Honduras. Começava uma sangrenta batalha que teve duração de 100 horas. A guerra foi solucionada após a Organização dos Estados Americanos (OEA) intervir, que negociou o cessar-fogo. Apesar disso, mais de uma década se passou até que um tratado de paz definitivo fosse assinado.

Os números da guerra

El Salvador

Exército: 30.000

Força Aérea: 1.000

Vítimas: 900 (incluindo civis)

Honduras

Exército: 23.000

Força Aérea: 600

Vítimas: 1.200 (incluindo civis)

 

Fontes:

É verdade que um jogo de futebol causou uma guerra?

A GUERRA DO FUTEBOL: EL SALVADOR x HONDURAS, 1969