O Futsal é o futebol adaptado para prática em uma quadra esportiva por times de 5 jogadores.  Ele foi criado em 1930 mas só em 1949 suas regras foram oficializadas.

Ou seja, mudou foi praticamente tudo.

Antes das mudanças, a bola era mais pesada e bem menor, existiam bandeirinhas, a lateral com as mãos era cobrada, o juiz dava acréscimo ao tempo de jogo e por aí vai…

Tudo era muito bem com as regras do futebol de campo, que imperaram desde o início das partidas nas quadras (na década de 30) até 1989, quando a FIFA assumiu a modalidade.

Ainda em 1989, o futebol de salão, popular na América do Sul, e o futebol cinco, praticado na Europa, foram fundidos e ganharam o nome de futsal. E foi aí que a revolução nas regras começou: a área ficou maior, os bandeirinhas foram banidos, o goleiro passou a jogar com os pés, liberou-se o gol dentro da área, acabou o limite de cinco substituições, surgiu o tiro livre após a quinta falta coletiva…

O maioria do público de futebol aprovou as mudanças, pois o jogo ganhou dinamismo e criatividade, deixando o futsal mais atrativo.

Hoje, o futsal é um dos esportes que mais crescem no mundo (em 1996, apenas 46 países disputaram as eliminatórias para o campeonato mundial). Atualmente, a FIFA já tem 130 afiliados.

Os movimentos permitidos do futsal

Assim como no futebol, o uso das mãos para o manejo e o deslocamento da bola é proibido. Os fundamentos, ou movimentos, a seguir são comuns ao futsal e ao futebol.

Passe: É o ato de chutar a bola para um companheiro da equipe.

Drible: É o ato de enganar o adversário com uma série de movimentos e passar por ele.

Cabeceio: É o ato de golpear a bola com a cabeça.

Chute: É o ato de golpear a bola com os pés.

Recepção: É o ato de interromper o percurso que a bola esteja fazendo.

Condução: É o ato de manejar a bola de forma que ela se desloque pelo campo.

As posições no futsal e no futebol

Goleiro: Defende o gol do próprio time contra tentativas adversárias de marcar pontos.

Fixo: Semelhante ao zagueiro do futebol, tem função de defesa.

Ala esquerdo e ala direito: Tema função de ajudar no ataque, trabalhando nas áreas laterais da quadra.

Pivô: Também conhecido como atacante, principal responsável pela tentativa de marcação de gols. 

Mudanças

Nos últimos anos, o jogo se reinventou para conquistar mais público:

Cobrança lateral e escanteio

Elas agora poderão ser feitas também com as mãos, e não apenas com os pés, de acordo com a intenção do jogador. A regra pode soar estranha para os mais jovens, mas até 1989, quando a Fifa assumiu as normas do futsal, os laterais do futebol de salão eram todos cobrados com a mão.

Substituição liberada

Antes das mudanças, cada time só tinha direito a cinco substituições por jogo, assim como futebol ‘normal’, quem saía não podia mais voltar.

A partir de 1995, acabou esse limite e nasceu a “troca volante”: as substituições acontecem com a bola rolando, o jogador pode entrar quantas vezes o técnico quiser e não precisa mais da autorização do juiz para começar a jogar.

A bola

A FIFA deixou a bola do jogo maior e mais leve em 1997. A circunferência aumentou de 62 para 64 centímetros e o limite de peso baixou de 500 gramas para 440 gramas. As partidas ficaram mais rápidas e dinâmicas: surgiram lances de efeito, como chapéus e voleios, improváveis na era da bola pesada.

A área foi alterada

Até o início da década de 90, gols dentro da área eram proibidos. Assim que assumiu o futsal, a FIFA acabou com essa proibição e aumentou a área (a distância entre as traves e a linha da área passou de 4 para 6 metros). A marca do pênalti, que ficava a 7 metros do gol, foi colocada na linha da área, 1 metro mais perto.

Goleiro-Artilheiro

Antes, o goleiro não podia tocar na bola fora da área nem lançá-la no campo do adversário, a bola tinha que quicar antes no campo de defesa. Pelas novas regras, ele ganhou o direito de lançar a bola além do meio da quadra e de jogar com pés, inclusive fora da área. Com isso, o goleiro passou a ser multifuncional, descendo ao ataque e até mesmo fazendo gols.

Pancadaria

Para punir a violência, uma regra antiga que existe até hoje, expulsa o jogador que cometer mais que cinco faltas. Depois da quinta falta coletiva, a cobrança é sem barreira. A FIFA complementou a regra em 2000, determinando que as faltas sem barreira fossem cobradas da marca de tiro livre, a 10 metros do gol.

Reposição

Até 1989, laterais e escanteios eram cobrados com as mãos e geravam muitos gols aéreos — as regras antigas permitiam estufar as redes de cabeça dentro da área. Hoje as saídas de bola são repostas com os pés, uma mudança que causou polêmica: o adversário pode ficar a 3 metros do cobrador, dificultando os lançamentos longos.

Cartões

No futsal, o cartão amarelo serve como advertência, igualzinho ao de campo. O vermelho também significa expulsão, mas com uma diferença: depois de dois minutos desfalcada, a equipe pode colocar outro jogador. Durante alguns anos, também existiu o cartão azul, que eliminava o infrator, mas permitia que um reserva entrasse no seu lugar imediatamente.

Tchau, bandeirinha!

Desde 1930, o futsal herdou do campo os bandeirinhas. Mas reflita: como não há impedimento, a função deles era só marcar a saída de bola.

Os cartolas pensaram a mesma coisa e trocaram o trio de arbitragem por uma dupla de juízes. Cada um apita de um lado da quadra, mas um só um deles tem a palavra final nas marcações polêmicas.

 

Fontes:

http://futebol-de-salao.info/regras-do-futsal.html