Você conhece as modalidades do futebol paralímpico?

Futebol é o esporte mais popular do planeta. Seu caráter igualitário permitiu que ele se expandisse pelo mundo todo, tanto que a FIFA, hoje em dia, tem mais membros afiliados do que a própria ONU. Pessoas do mundo tudo deixam suas diferenças de lado e se unem para bater uma bolinha e se divertir.

E é natural que por ser cativante e apaixonante atinja também as pessoas que por não opção, definição e preconceito sempre estiveram fora do jogo: os deficientes. Desde cedo eles foram à procura de uma maneira que lhes permitisse participar da partida. Nesse artigo você vai se familiarizar com o ‘futebol de 5’e ‘futebol de 7’ e como essas modalidades estão quebrando barreiras.

Futebol de 5

Praticado por atletas com deficiência visual, o futebol de 5, ao que tudo aponta, surgiu na Espanha, na década de 1920. No Brasil, há indícios de que era praticado durante a década de 50 por cegos que jogavam com latas ou garrafas e mais tarde com bolsas envoltas em sacos plásticos, nas instituições de ensino e de apoio a estes indivíduos. Durante as Olimpíadas das APAEs, em 1978, foi organizado na cidade de Natal (RN), o primeiro campeonato da modalidade. Em 1984, ocorreu a primeira Copa Brasil, em São Paulo. Mais tarde, a Seleção Brasileira participou de edições da Copa América, conquistando o ouro em 1997, 2001 e 2003. Em 1998, o Brasil foi ainda o campeão do primeiro Mundial, realizado em Paulínia (SP).

A modalidade só entrou para o programa dos Jogos Paraolímpicos em Atenas-2004. E o Brasil é, até hoje, o único campeão – Uhuuuuu!-  O futebol de 5 é disputado em uma quadra e segue a mesma linha do futsal, com algumas pequenas alterações nas regras tradicionais.

Seleção Inglesa paralímpica em ação.

Como é praticado?

Os atletas de linha ficam com seus olhos vendados para evitar qualquer vantagem dos jogadores que apresentem percepção de luz, enquanto o goleiro consegue enxergar normalmente. A partida tem dois tempos de 25 minutos cada, com intervalo de 10 minutos. Eles se orientam pelo som dos guizos do interior da bola orienta os jogadores.

O futebol de 5 é somente para cegos. As partidas normalmente se dão em uma quadra de futsal adaptada com uma banda lateral (barreira feita de placas de madeira que se prolonga de uma linha de fundo à outra, com um metro e meio de altura, em ambos os lados da quadra, evitando que a bola saia em lateral, a não ser que seja por cima desta), mas desde os Jogos Paralímpicos de Atenas também vem sendo praticado em campos de grama sintética, com as mesmas medidas e regras do futsal.

Os times são formados por cinco jogadores em cada equipe: um goleiro, que tem visão total e quatro na linha.

Tem também um guia (chamador) que fica atrás do gol adversário orientando o ataque de seu time, dando a seus atletas a direção do gol, a quantidade de marcadores, a posição da defesa adversária, as possibilidades de jogada e demais informações úteis. O chamador bate nas traves com uma base de metal, quando vai ser cobrada uma falta, um pênalti ou um tiro livre.

O futebol de 5 deve ser praticado em um ambiente silencioso. A torcida, bastante desejada nesta modalidade, deve se manifestar somente quando a bola estiver fora do jogo: na hora do gol, em faltas, linha de fundo, lateral, tempo técnico ou qualquer outra paralização da partida pois qualquer intervenção por parte dela pode prejudicar a partida.

A bola de futebol possui guizos, necessários para a orientação dos jogadores dentro de quadra, por isso a necessidade do silêncio. Através do som emitido pelos guizos, os jogadores podem identificar onde ela está, de onde ela está vindo e se podem conduzi-la.

Classificação

B1

  • Cegos totais ou com percepção de luz, mas sem reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância

B2

  • Atletas com percepção de vultos

B3

Atletas que conseguem definir imagens

  •  Apenas homens

 

E as regras? São as mesmas que o futebol convencional?

Praticamente sim

Muda só um pouqunho. Por exemplo:

– Dois tempos de 25 minutos, sendo os dois últimos de cada tempo cronometrados e um intervalo de dez minutos;

– Uma pequena área de onde o goleiro não pode sair para realizar defesa nem pegar na bola de 5×2 metros

– Depois da terceira falta, é cobrado um tiro livre da linha de oito metros ou do local onde foi sofrida a falta.

– Os jogadores são obrigados a falar a palavra espanhola “voy” (“vou” em português), sempre que se deslocarem em direção a bola, na tentativa de se evitar choques. Quando o juiz não ouvir, ele marca falta contra a equipe cujo jogador não disse o “voy”.

Futebol de 7

Surgiu em 1978, na cidade de Edimburgo, na Escócia, e foi lá que aconteceram as primeiras partidas.

O futebol de 7 faz parte do Programa Paralímpico desde os Jogos de Nova York e Stoke Mandeville, em 1984.

Ele é praticado por atletas com paralisia cerebral. Apesar do nome sugerir, essa é uma deficiência motora e não mental. A paralisia cerebral prejudica de várias formas a capacidade motora dos atletas. Porém, diferentemente dos deficientes mentais, eles não apresentam comprometimento intelectual.

Brasil

Em Barcelona em 1992, o Brasil estreou nos Jogos Paralímpicos e ficou em sexto lugar. Na Paralimpíada de Atlanta, 1996, a seleção brasileira ficou em penúltimo lugar na classificação geral. Em 2000, Sidney, virou o jogo e conquistou o terceiro lugar geral. Nos Jogos Paralímpicos de Atenas em2004, o Brasil se superou mais uma vez e conquistou a medalha de prata, deixando para trás potências como a Rússia, Estados Unidos e Argentina.

Regras básicas

As regras são da FIFA, mas teve algumas adaptações da Associação Internacional de Esporte e Recreação para Paralisados Cerebrais (CP-ISRA).

O campo tem no máximo 75m x 55m. Cada time é composto por sete jogadores (com o goleiro) e cinco reservas. A partida tem duração de 60 minutos, divididos em dois tempos de 30, com um intervalo de 10 minutos.

Não existe regra para impedimento e a cobrança lateral pode ser feita com apenas uma das mãos, rolando a bola no chão. Os jogadores pertencem às classes menos afetadas pela paralisia cerebral e não usam cadeira de rodas.

Classificação

– O futebol de 7 só pode ser jogado por homens.

– De acordo com o grau da paralisia, os atletas são classificados em classes de 5 a 8, sendo que o maior número representa o maior potencial funcional.

– Todos os times devem ter pelo menos um atleta classe 5 ou 6, e no máximo dois classificados como 8.

Aqui no Brasil, a modalidade é administrada pela Associação Nacional de Desporto para Deficientes (ANDE).

Bom, se pra jogar o futebol tradicional é necessário garra e dedicação, e já é mega difícil, imagina pra essa galera do 5 e 7? Isso sim é lição e exemplo de vida! Estão de parabéns, todos são campeões!

E aí, você já assistiu algum jogo dessas modalidades? O que achou? Deixe seu comentário pra gente!

Fontes:

http://www.portalsaofrancisco.com.br/esportes/futebol-de-sete

http://copadasagencias.blogspot.com.br/p/fotos.html