Por quê será que o futebol faz tanto sucesso? Seria devido as regras serem bem simples e poucas, seria também, pelo fato dele ser um dos esportes mais acessíveis do mundo e qualquer um pode jogar? Vem que hoje tentamos entender esse sucesso do futebol!

O futebol possui apenas 17 regrinhas, todas muito fáceis de entender. Talvez a regra do impedimento seja a mais complexa, porém as restantes, são de facílima compreensão. Além disso, o jogo, que é relativamente simples, pode ser adaptado para a prática em qualquer lugar e por qualquer número de pessoas, como mostra o advento de seus irmãos futsal, society e de areia.

Por quê tanto sucesso?

Bater uma bolinha, também não requer equipamentos caros ou sofisticados, como as luvas, as máscaras e os tacos do beisebol, bastando tem em mãos ou aos pés, uma bola, que pode ser até feita mesmo de meia, e alguma coisa para delimitar os gols. E, o melhor de tudo, principalmente para aqueles que não nasceram craques: as chances de sucesso de um time inferior sempre existem, algo muito mais raro no basquete ou no vôlei, por exemplo.

 Talvez nenhum desse motivos, separadamente, possa responder a questão: por que o futebol é tão popular no mundo inteiro? Mas, quando juntamos todos eles, é possível explicar o fenômeno. E é por causa de todos esse fatores que aproximadamente mais de 270 milhões de pessoas nos cinco continentes praticam o futebol atualmente (segundo uma pesquisa mundial patrocinada pela FIFA em 2006).

O futebol é um dos campeões de audiência desde 1986, quando a Argentina do rei Maradona derrotou a Alemanha Ocidental por acirrados 3 x 2 e a cada final de Copa do Mundo é batido o recorde mundial de assistência de um evento pela televisão.

Somente na última Copa do Mundo, de 2014, no Brasil, foram 3,2 bilhões de espectadores ao longo da disputa. Na Copa de 2010, pelo menos 1 bilhão de pessoas viram ao menos um minuto da final, vencida pela Alemanha por 1 a 0, contra a Argentina.

A estimativa é que 280 milhões assistiram aos 64 jogos pela internet.

O futebol e a TV

A TV é a principal fomentadora do futebol nos dias atuais e entrou em campo pela primeira vez em 1936, quando a Alemanha comandada por Hitler fez uma transmissão experimental de um empate por 2 x 2 entre as seleções alemã e italiana. Um tempinho depois, já em 1958, a Copa do Mundo da Suécia foi transmitida ao vivo para a Europa. Em 1970, o primeiro Mundial transmitido via satélite para o mundo inteiro foi o do México.

O futebol já foi capaz de provocar uma guerra lá na América Central, em julho de 1969, quando uma briga num jogo El Salvador x Honduras serviu de pretexto para tropas do primeiro time atacarem o segundo (inclusive já contamos essa história por aqui) naquele mesmo ano, a presença de Pelé em Lagos, capital da Nigéria, também foi capaz de provocar uma trégua na guerra civil de Biafra, só para que os dois lados pudessem ver o “Rei do Futebol” jogar pelo Santos contra a seleção nigeriana. Que moral, viu!

Há muito tempo atrás…

Talvez esse fascínio e sucesso do futebol esteja no DNA humano. Só isso mesmo para explicar por que os povos mais diferentes, nas épocas mais variadas, gostavam de dar chutes numa bola. Se for parar pra analisar, é um conceito tão simples, né.

O futebol que conhecemos passou do tsu-chu (de tsu, lançar com o pé, e chu, bola recheada, feita de couro), praticado como treinamento militar na China entre 3000 e 2500 a.C), pelo harpastum dos romanos, já no ano 200 a.C., até chegar no formato atual.

O homem em si, e principalmente a elite, sempre teve uma quedinha para os jogos com chute e bola. Há registros de esportes assim em civilizações de todo o planeta, dos nativos da Patagônia aos esquimós do Alasca, muito antes de se falar em futebol, FIFA ou Copa do Mundo.

A maioria desses jogos de antigamente, infelizmente, era reservada as elites. O povo só entrou em cena, meeeeeesmo, depois que as conquistas romanas levaram aquelas disputas a outras regiões, a partir do ano de 1943.

O soule (versão do harpastum trazida para a França), continuava sendo praticado em jardins aristocráticos, inclusive pelo próprio rei Henrique II. Mas também chegou nas ruas e atingiu as massas, na Idade Média, na Itália (com o nome de calcio fiorentino, de onde vem a palavra calcio, usada até hoje pelos italianos para definir o futebol) e na Inglaterra, onde era praticado de forma desordenada, com os habitantes das cidades saindo pras ruas em dias de festa para chutar uma bola de couro.

Enfim, também já contamos aqui no blog sobre a história do futebol! Se quiser saber mais, corre pra lá!

Exceções

Como tudo na vida tem exceções, com o futebol também não seria diferente!

Em alguns países o futebol nunca “pegou”. A exceção mais visível são os EUA, onde o futebol sempre ficou atrás dos quatro grandes do país, o beisebol, futebol americano, basquete e hóquei sobre gelo.

Mas por quê seria isso?

Tem gente que tenta explicar dizendo que o futebol é ruim para a TV, ele não tem tantas interrupções constantes que permitam intervalos comerciais. Hmm…

Mas aparentemente, o beisebol e o futebol americano já haviam superado o futebol muito antes da TV.

Talvez, a explicação mais plausível é que, o rúgbi, variante mais violenta do futebol, que pode ser jogada com as mãos, fez muito mais sucesso junto na elite universitária americana.

O soccer (o nosso futebol lá nos EUA) acabou sendo conectado a um esporte de colônias de imigrantes (primeiro europeus, depois latino-americanos) e até hoje tenta se libertar desse rótulo.

Mas, recentemente, parece que os EUA está tentando recuperar esse tempo perdido! Os EUA estão investindo pesado na área e a meta é atingir o topo até a Copa de 2026. Nada ambiciosos, né?

Os investimentos que eles tem feito fazem parte de um plano mais amplo para o futebol. O país pretende organizar a Copa de 2026 e querem desenvolver e fortalecer cada vez mais o esporte. Mas sem dúvida, o poder financeiro no futebol está com os clubes europeus.

Bom, fica a deixa aí deles para estarmos atentos até 2026 e rezar para que o o Brasil não seja desbancado!

Fontes:

https://www.fifa.com/mm/document/fifafacts/bcoffsurv/bigcount.statspackage_7024.pdf

http://revistas.unisinos.br/index.php/versoereverso/article/view/97

https://www.fifa.com/mm/document/fifafacts/bcoffsurv/emaga_9384_10704.pdf