O campeonato inglês e o campeonato espanhol são os dois dos grandes campeonatos nacionais europeus. Cada um tem suas peculiaridades, confira o que os torna tão únicos.

Comparativo

Balança em cima de caixote de madeira.

O debate entre Premier League e La Liga divide os fãs de futebol por todo o mundo. As duas são segundo a Federação Internacional de História e Estatística do Futebol (IFFHS) as duas maiores competições nacionais entre clubes do mundo.

Os campeonatos possuem as marcas com maiores pesos, os jogadores mais famosos, grandes audiências e direitos televisivos ao redor do mundo e, claro, as duas geram as maiores discussões no mundo futebolístico.

A La Liga, que acontece desde 1929 é um dos campeonatos mais antigos do mundo. Desde sua criação, o campeonato lida com grandes clubes, tanto que sua certa “globalidade” já era bem representada na década de 1950.

Nessa época, o Real Madrid tinha praticamente o domínio do campeonato espanhol, bem como o da então Copa dos Campeões, conhecida hoje como Liga dos Campeões.

Sem concorrência párea ao time, o clube buscava expandir seu domínio e ser o melhor do mundo. Para que isso fosse possível o então presidente do Real Madrid teve a ideia de um campeonato intercontinental, no qual ele pudesse “exibir” o Real Madrid.

Assim foi plantada a semente do Campeonato Mundial de Clubes, uma vez que o Madrid se destacava em todas as competições europeias e buscava vencer os melhores clubes do mundo.

Já a Premier League, tem um contexto muito mais recente. Criada em 1992 a partir da desvinculação dos 20 principais clubes ingleses com a Associação Inglesa de Futebol (EFL).

Até então, a primeira divisão inglesa contava com 72 clubes e pouco reconhecimento internacional, a era Premier League foi determinante para que o campeonato alavancasse.

A partir da sua criação, o campeonato não era mais apenas uma disputa, se tornou uma marca, que mostrou grandes resultados que podem ser analisados a partir da arrecadação, média de público, qualidade dos jogos e jogadores etc.

La Liga

Logomarca da La Liga

A principal competição espanhola é famosa por uma das maiores rivalidades históricas, Real Madrid e Barcelona, que ao longo dos anos, além da disputa entre clubes, também existiu a disputa entre astros dos clubes.

Como por exemplo Ronaldinho Gaúcho do Barça e Zidane no Real, Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, Maradona e Santillana. Demonstrando um alto nível de futebol, utilizando das capacidades individuais de cada atleta para trabalhar juntos como uma equipe.

A bola raramente é lançada na tentativa de impor velocidade ao jogo, o time se movimenta montando ataques “lentos”, com mais tática, procurando os espaços e explorando as falhas do adversário.

A maior crítica ao campeonato é que se trata de uma liga de dois times: Real Madrid e Barcelona.

Realmente, analisando o número de títulos dos dois, fica claro que, muitas vezes é uma disputa entre merengues e catalães. Das 87 vezes em que o campeonato foi disputado, o Real ou o Braça levantaram o caneco 58 vezes.

Outros clubes como Atlético de Madrid, Athletic Bilbao, Valencia, Sevilla, até possuem uma certa notoriedade, porém muito pequena comparada aos merengues e catalães.

Os clubes, por mais que apresentem um bom futebol, são ofuscados pelo destaque excessivo dado ao Real Madrid e Barcelona, dando a impressão que o campeonato espanhol se resume ao El Clásico.

O que acontece é que a tabela não consegue transmitir os acontecimentos do campeonato. Os jogos são de ótima qualidade, as equipes se empenham e mostram sua força.

Na Espanha, os clubes possuem uma rivalidade muito grande, principalmente devido a fatores históricos. A Espanha é um país muito dividido, que possui múltiplas identidades. Como por exemplo o Barcelona que possui origem catalã.

Os catalães buscam independência da Espanha e seu principal representante, o Barça, também leva para campo as questões históricas que se demonstram por exemplo na rivalidade com o Real Madrid.

Como o próprio nome sugere, o Real teve sua origem a partir da monarquia, que vai de encontro aos ideias separatistas dos catalães. A rivalidade entre os clubes é muito maior do que apenas os 90 minutos de bola rolando.

Outra identidade espanhola que busca maior autonomia é a região basca. Representado pelo time Athletic Bilbao, que até hoje só aceita jogadores de origem basca, por isso sua rivalidade com outros clubes vai muito além do futebol.

Premier League

Logomarca da Premier League

A competição que envolve os melhores 20 times da Inglaterra e País de Gales, apresenta um alto nível de futebol que envolve os torcedores, trazendo reviravoltas e competitividade.

Enquanto na La Liga a posse de bola é valorizada, na Inglaterra a velocidade e o ataque a gol opositor são as principais características do jogo, o que deixa a competição muito mais emocionante e imprevisível.

Por mais que exista um certo domínio de alguns clubes na Premier, existe uma competitividade muito grande, devido ao número de grandes clubes como Manchester United, Liverpool, Chelsea, Manchester City, Tottenham e Arsenal.

Os clubes menores, com menos destaque também não deixam barato para os grandes. Os jogos são muito disputados e, para vencer, é necessário dar o melhor do time.

Um bom exemplo disso foi o título do Leicester City na temporada 2015/16. O clube subiu para a Premier Legue na temporada anterior, onde passou boa parte lutando contra o rebaixamento.

No ano seguinte o clube voltou, com o elenco e técnico novos e, em uma jornada considerada por muitos impossível, venceu os grandes e se sagrou campeão da Premier.

Os placares também não deixam mentir. A elasticidade dos mesmos, bem como as reviravoltas mostram o nível de competitividade. As maiores goleadas foram:

  • Manchester United 9 x 0 Ipswich em 1995.
  • Newcastle 8 x 0 Sheffield Wednesday em 1999.
  • Tottenham 9 x 1 Wigan em 2009.
  • Chelsea 8 x 0 Wigan em 2010.
  • Chelsea 8 x 0 Aston Villa em 2012.
  • Southampton 8 x 0 Sunderland em 2014.

As viradas também são recorrentes, garantindo sempre imprevisibilidade à competição.

As maiores viradas foram:

  • Arsenal 4 x 3 Leicester em 2018.
  • Leicester 5 x 3 Manchester United em 2018.
  • Manchester United 5 x 2 Tottenham em 2009.
  • West Ham 3 x 2 Manchester United em 2016.
  • Blackpool 2 x 3 Manchester United em 2011.
  • Arsenal 2 x 4 Manchester United em 2005.

É interessante notar que em muitos casos os times grandes é quem são surpreendidos pela virada, mostrando novamente o nível de qualidade e competitividade que o campeonato imprime.

Arrecadação

Cofrinho em forma de porco.

Um ponto que gera muita discussão, principalmente na La Liga é como o dinheiro arrecado é repassado aos clubes.

A Premier League, além de ser o campeonato mais rentável, também é o mais igualitário. O repasse do que é arrecado dos direitos televisivos é distribuído de forma justa entre os clubes.

50% de tudo que é arrecadado é distribuído igualmente entre os clubes. 25% é dividido de acordo com a classificação das equipes na temporada anterior e os outros 25% é dividido de acordo com o número de partidas transmitidas.

Por exemplo na temporada 2016/2017, o Chelsea, que foi o campeão, arrecadou um total de 150.811.183,00 de Libras. Já o Sunderland que ficou na última colocação levou um total de 95.471.118,00 de Libras.

Por mais que exista uma diferença grande, os dois receberam o valor igual de repasse de 79.151.989,00 de libras, a diferença se dá devido a colocação e número de jogos transmitidos.

Já na La Liga, não existe uma distribuição igualitária, por muito tempo a venda dos direitos televisivos não de dava de forma coletiva, ou seja, os grandes clubes fechavam contratos com as emissoras e os pequenos não conseguiam se colocar no mercado.

Por mais que a partir de 2015 isso tenha mudado e passado a seguir os moldes da Premier, optando por vender os direitos televisivos de forma coletiva, a discrepância entre o valor de repasse ainda existe.

Os merengues e catalães sempre ficam com a maior parte dos lucros. Na temporada 2017/18 o Real Madrid e Barcelona embolsaram 154 milhões de euros e 148 milhões de euros respectivamente. Fechando o top 3, o Atlético de Madrid levou também 110,6 milhões de euros.

O total distribuído foi de 1.326 bilhão. Tirando o que foi distribuído entre os três maiores, o que foi repartido entre os outros 17 clubes não chega nem a metade do que cada um do top 3 faturou.

Conclusão

Cada campeonato tem seus altos e baixos e definir qual é melhor depende da perspectiva de cada espectador.

Quer ver a atuação de grandes jogadores, que são destaques na mídia, nos seus países de origem, no mundo todo? Tanto a Premier quanto a La Liga atendem a esses requisitos, tendo no elenco dos seus clubes nomes como Messi, Modric, Mohamed Salah, Sergio Agüero e muitos outros.

Está em busca de um campeonato de muita tática, que os clubes utilizam do potencial dos grandes astros para montar a unidade do time? A La Liga é a melhor escolha.

Agora se você busca competitividade, jogos emocionantes e imprevisíveis? A Premier League é a melhor opção.

Aproveite os novos conhecimentos de Premier League e La Liga e vem escalar seu time com a gente!